21 de dez de 2009

Papai Noel


Usar o Papai Noel para Ameaçar as Crianças Pode Trazer Prejuízos ao Desenvolvimento

Em muitas famílias, a figura natalina é alvo de pânico porque está relacionada às chantagens dos adultos

Cara e cabelo de anjo. Uma cartinha na mão e um sorriso assustado.Foi bem preparada e devagarinho que Bruna Mayer Oliveira, três anos, se aproximou do Papai Noel no shopping.
No papel rabiscado entregue ao velhinho, estava a mensagem:
“Por favor, gostaria de uma boneca que fala”.
Naquela tarde, o personagem do Natal não a amedrontou.
Era uma aposta para ganhar o presente desejado.
– Antes, ela tinha medo e não queria sequer tirar foto com ele. Agora, está mais preparada – conta a mãe, a empresária Mara Mayer.
Para a menina dos cachos dourados, Papai Noel não é assustador, principalmente porque a mãe nunca usou o personagem como um recurso na educação da pequena.
Entretanto, em muitas famílias, a figura natalina é alvo de pânico porque está relacionada às chantagens dos adultos.
Com pouca paciência, alguns pais aproveitam o Noel para negociar bons comportamentos, a despedida de fraldas e chupetas e para evitar brigas entre irmãos.
Só que, por mais que no dia do Natal todos terminem com presentes, a atitude pode comprometer o desenvolvimento da criança.
O adulto que pede para criança deixar a chupeta com o personagem, por exemplo, em troca de presentes, deve entender que a criança pode estar precisando do bico porque alguma coisa em sua vida ainda não está bem resolvida, explica Fernando Becker, professor titular de Psicologia da Educação da UFRGS.
O mesmo vale para qualquer objeto de que o pequeno não quer se libertar e que representa prazer e segurança.
– É antieducativo, porque, se a criança ainda considera o bico importante, a chantagem não resolverá o problema – diz Becker.
Além da sensação de insegurança e medo que a chantagem emocional pode causar, a contradição no discurso dos pais – ao dizer que os filhos não receberão presentes – pode desmoralizá-los diante da criança.
Papai Noel também fica com imagem distorcida, deixando de estar relacionado a fatos positivos.
– Essa é uma falha da educação.
Se os pais vão dar presentes no Natal, não podem ameaçar. Além disso, usar o Noel como troca e recompensa não ajuda no desenvolvimento da criança – diz a psicóloga Clarissa Corrêa Menezes, doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano.
Evite a pressão
- O Papai Noel é um personagem que habita a imaginação das crianças, mas utilizá-lo como negociador de bons comportamentos não é o ideal – combinação é diferente de chantagem.
- Os pais devem entender o porquê de estarem chantageando a criança e reconhecer quais prejuízos poderão causar aos filhos.
- Crianças que são ameaçadas pelos pais podem apresentar olhar perdido, falta de ânimo, dificuldade de se soltar em brincadeiras e de se relacionar com amigos. Também podem apresentar baixa autoestima, insegurança e pouca confiança em si e nos pais.
- Uma vez chantageada pelos adultos, a criança aprenderá a fazer o mesmo futuramente, seja por meio do choro ou de negociações por alguma coisa.
- É normal que alguns chorem ao ver o personagem. Não force o encontro entre os dois. Em alguns casos, o choro pode ocorrer devido à pressão que os pais. Fontes: Clarissa Corrêa Menezes, psicóloga, e Fernando Becker, professor de Psicologia
O que o velhinho escuta dos pais

Conversamos com o Papai Noel do shopping Iguatemi, Erny Hinnig, e selecionamos algumas frases que o personagem mais escuta dos pais nesta época do ano. Você se identifica com alguma delas?
Se você largar o bico e a mamadeira, a mãe e o pai param de fumar.
Se comer toda a comida do prato, inclusive as verduras e legumes, ganha uma bicicleta nova.
Se não parar de falar palavrão e responder ao pai e mãe, o Papai Noel não vai trazer presentes neste ano.
Se você não parar de fazer xixi na cama, não vai ganhar a boneca que pediu ao Papai Noel.
Pare de brigar com os irmãos, senão ninguém ganhará presente.

* Retirado do http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/ *

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
© Copyright 2009-Reneide Soares. All rights reserved